>

sábado, 19 de janeiro de 2019

Rotina de cuidados de rosto| Como posso construir a minha?


Falar de produtos pode ser fácil. Mas quando chega ao momento de construir uma rotina de cuidados de rosto, personalizada e adaptada às nossas necessidades; instalam-se muitas dúvidas.

Por isso, decidi partilhar convosco algumas das linhas orientadoras que utilizo para desenvolver rotinas eficazes e fáceis de cumprir. Nesta publicação, encontram também diversos links para outras publicações mais específicas que podem encontrar no blog.



Margot Robbie para a Vogue

1.
Estabelecer objetivos e linhas orientadoras

Embora haja passos "universais" para quem pretende ter uma pele em bom estado, e que serão mencionados no ponto 5; antes de iniciar a elaboração de uma rotina personalizada há que ter em mente alguns pressupostos:

  • Considerar aquilo que já usa
A menos que os produtos que está a usar sejam totalmente desadequados para a pele, não será necessário trocá-los na totalidade.

Neste sentido, antes de fazer qualquer compra é importante avaliar aquilo que se tem; perceber o que não será adequado e comprar apenas o que é necessário.

Quem lava o rosto com sabonete para mãos, por exemplo; terá certamente que optar por um produto adequado para a limpeza de rosto. Se comprou um creme extretamente barato, mas a pele fica demasiado oleosa ou demasiado seca após utilizá-lo; este produto é igualmente um candidato para troca.

Após identificar que produtos "ficam" ou "vão"; podem prosseguir para os seguintes pontos :)

  • Orçamento
Este é um dos principais objetivos a definir antes de estabelecer qualquer rotina; caso contrário corre o risco de gastar demais em produtos redundantes não ter dinheiro para aqueles que efetivamente requerem investimento.

Para os orçamentos mais reduzidos, já fiz publicações com dicas de como poupar em produtos de beleza; ou acerca dos produtos de supermercado que mais gosto. Também já mencionei quais os produtos nos quais será importante (ou não) investir um pouco mais aqui.

  • Esquecer (pelo menos para já) produtos complementares
E estes incluem máscaras, tónicos (sim, e podem saber o porquê aqui), essências, ampôlas... A lista é quase infinita. Sim, estes produtos têm o seu lugar e podem ser usados numa rotina mais "avançada" ou  por questões "recreativas". Mas se estão a ter dificuldade em estabelecer uma rotina disciplinada, sustentável ou quem sabe até económica; recomendo deixar estes produtos para segundo plano numa primeira fase.



2.
Tipo de pele

Tradicionalmente, a pele classifica-se como sendo "oleosa", "seca" ou "mista"; sendo que este último termo acaba por não ser muito preciso, já que poucas serão as pessoas que não a têm. A distribuição das glândulas sebáceas (que produzem a oleosidade) é comum à maioria as pessoas, sendo que estas tendem a estar mais concentradas na testa, nariz e suas laterais; e também no queixo (zona T). Em contrapartida, as zonas periocular, perioral e bochechas são menos concentradas em glândulas sebáceas; apresentando-se tendencialmente menos oleosas e mais suscetíveis à desidratação. 

Assim; alguns autores consideram que a definição do tipo de pele no que diz respeito à oleosidade deverá ter por base essencialmente o estado da zona T; já que raras são as pessoas que apresentam  uma oleosidade considerável nas restantes zonas do rosto. Ainda assim; muitas marcas optam por manter a designação de "pele mista" nos seus produtos; uma vez que este termo vai de encontro às expectativas, e também à percepção estado da pele da maioria das pessoas.

Para que possam ter acesso a uma avaliação mais objetiva do vosso tipo de pele, recomendo o questionário da Dra. Leslie Baumman; cuja versão traduzida podem encontrar aqui. Este diagnóstico avalia não só a oleosidade, mas também a sensibilidade e tendências para pigmentar ou enrugar de cada pele. É uma das ferramentas mais úteis que conheço; até porque foi validada cientificamente.



3.
Preocupações específicas


Há preocupações que requerem produtos ou cuidados específicos:

Questões patológicas ou que requerem o uso de medicamentos sujeitos a receita médica deverão obviamente ser diagnosticadas e tratadas na especialidade de dermatologia.
  • Pele sensível: produtos minimalistas (nº reduzido de ingredientes), sem fragrâncias nem elevadas concentrações de ingredientes ativos com potencial irritante (óleos essenciais, ácidos esfoliantes, retinóides, etc.). Para facilitar, recomendo optar por marcas de farmácia como La Roche Posay, Bioderma, CeraVe ou Avène; que possuem respostas específicas de entre os vários tipos de sensibilidade. Além disso, é importante que limitem o número de produtos da vossa rotina ao indispensável (dói, eu sei...). Mais informação aqui;
  • Vermelhidão/rosácea: há várias gamas (inclusivamente nas marcas acima mencionadas) que possuem produtos capazes não só de piorar os sinais da rosácea; mas também de ajudar a camuflá-los. Uma vez mais, a ideia de manter o número de produtos no mínimo possível ajuda. Podem ler mais sobre vermelhidão e rosácea aqui;
  • Olheiras (origem vascular): as olheiras de origem vascular distinguem-se das olheiras de origem melânica (castanhas) pelo seu tom mais arroxeado e relacionado com os capilares sanguíneos que circulam sob a pele do contorno de olhos. Podem estar associadas com a pequena espessura da pele, cansaço, questões anatómicas, problemas respiratótios, uso de medicamentos (ex: tratamento do glaucoma); e raramente são fáceis de eliminar. Não há por isso muitos produtos que consigam minimizá-las de forma eficaz, pelo que um bom corretor de olheiras (maquilhagem) será a melhor opção. Podem saber mais acerca deste assunto aqui;
  • Perda de firmeza: embora esta preocupação não invalide a lógica de limpeza / hidratação / proteção (ponto 5 desta publicação) com recurso a ingredientes ativos de eficácia comprovada (ponto 4 desta publicação); pode ser interessante adicionar produtos de "ação tensora"a à rotina de dia, por forma a sentir-se mais confiante aquando do contacto com outras pessoas. Este tipo de produto está presente em várias marcas, como a Sesderma, Lierac, Comodynes ou Martiderm;
  • Rugas e linhas finas: também neste caso pode ser interessante usar um produto de ação "preenchedora" destes sulcos cutâneos (nunca equiparável a um preenchimento injetável). Normalmente estes produtos apresentam-se sob a forma de séruns, essências, cuidados para contorno de olhos ou produtos de ação corretiva localizada; e possuem concentrações consideráveis de glicerina, ácido hialurónico ou outros glicosaminoglicanos, silicones, açúcares, etc. 
  • Acne: nos casos de acne moderada a severa, em que o risco de desenvolvmento de cicatrizes é considerável; a primeira abordagem deverá passar sempre pela consulta de um dermatologista. Para os casos ligeiros, remitentes ou borbulhas pontuais; pode ser necessário recorrer a produtos de correção localizada ou a cuidados de ação esfoliante e preventiva. Podem conhecer vários desses exemplos aqui.
  • Manchas: a menos que as manchas sejam muito ligeiras e recentes, carecem igualmente de avaliação em dermatologia. Caso contrário, há hidratantes, séruns e corretores localizados que podem fazer sentido para esta questão em particular. Mais importante do que tudo isto, será a aplicação e reaplicação do protetor solar. Mais informação também aqui.


4.
Ingredientes ativos de eficácia comprovada

Não são muitos, e nem todos se adaptarão aos diversos tipos e sensibilidade de pele. Ainda assim, Recomendo sempre a procurar por aqueles ingredientes que mais se adaptam às vossas necessidades no momento de escolher os vossos produtos (mais informação nos links):
  • Retinóides, especialmente interessantes para controlar a oleosidade da pele, corrigir os sinais da idade e promover a sua renovação. Nem todos serão indicados para pele sensível, sobretudo em concentrações elevadas;
  • AHA (alfa-hidroxiácidos: glicólicolático, cítrico, tartárico, málico...), que promovem a esfoliação e hidratação da pele. No caso de a pele ser sensível, os dois primeiros poderão ser pouco indicados, dependendo também das concentrações em que se encontram;
  • Ácido salicílico, interessante para esfoliar todos os tipos de pele, dependendo da concentração em que se encontra, mas especialmente as mais oleosas;
  • Vitamina C (ácido ascórbico), disponível em vários derivados. Interessante para pele com tendência para hiperpigmentação ou que precisa de luminosidade acrescida. Em caso de rosácea ou sensibilidade geral, elevadas concentrações de ácido ascórbico são geralmente pouco toleradas;
  • Niacinamida, geralmente tolerada por todos os tipos de pele e com uma ação moderada sobre a oleosidade excessiva, hiperpigmentação, e desidratação.
Para quem procura ingredentes específicos em concentrações elevadas, recomendo marcas como a Neostrata, Skinceuticals, The Ordinary, SVR, Mesoestetic, ou La Roche Posay.

5.
Passos essenciais

São transversais a todos os tipos de pele e preocupações. Por isso, será necessário apenas adequar a escolha dos produtos às características de cada pele:

  • Limpeza

A limpeza permite eliminar a sujidade da pele, esteja ela relacionada com o ambiente ou com os produtos que sobre ela aplicamos; mas também proporcionar uma penetração superior de tudo aquilo que desejamos aplicar de seguida (mais detalhe aqui). Na pele oleosa ou acneica, a limpeza tem ainda a vantagem de controlar o desconforto e outras consequências associadas ao excesso de sebo.

As texturas e composições dos produtos de limpeza poderão variar com o tipo de pele; e por esse motivo a maioria das marcas colocam essa indicação na rotulagem.

Salvo raras exceções, não recomendo águas micelares como produto de limpeza único. Podem consultar os meus motivos pessoais para isso aqui.

Quem usa maquilhagem de alta cobertura/resistente à água ou protetores solares de elevada resistência; poderá ter a necessidade de associar um desmaquilhante bifásico ou óleo de limpeza antes de iniciar a rotina. Para saber mais detalhes acerca de como ou quando fazê-lo, podem consultar também esta publicação.

  • Proteção solar

Pretende prevenir ou corrigir os sinais da idade, marcas de acne ou manchas? Em regra, todos nos temos algum destes objetivos.

Nesse caso, usar proteção solar diariamente tanto no Verão como no Inverno é essencial. Se não o fizer, poderá ainda estar a comprometer a eficácia dos produtos anti-envelhecimento/corretores em que investiu; já que a evidência científica acerca dos efeitos do sol sobre o envelhecimento cutâneo é clara.

Quer use um protetor solar propriamente dito ou um hidratante com proteção solar, é importante que este gesto seja contínuo ao longo do ano; e que o produto escolhido seja tão agradável que o consiga aplicar numa quantidade adequada. Durante o dia, e se o protetor solar for suficientemente hidratante; pode ser um excelente substituto para o creme hidratante habitual.

Mais informação também aqui e aqui.

  • Hidratação

A seguir ao uso de protetor, é talvez uma das medidas mais importantes para a proteção da pele. Isto porque a água é essencial para a manutenção da barreira cutânea face ao exterior, para que a pele se consiga renovar, ou até para que esta aparente estar mais "preenchida"; e logo menos enrugada.

A hidratação tem ainda outras vantagens. E tendo em conta que limpamos a pele e não podemos deixar de o fazer; torna-se um passo essencial após este gesto.

... e o sérum?


Os séruns destinam-se a "entregar" à pele uma maior concentração de ingredientes ativos e não tanto a hidratá-la (com as devidas exceções). Assim, estes produtos são naturalmente mais concentrados em ingredientes ativos do que um creme, conseguindo-se ainda uma melhor penetração destes mesmos ingredientes.

Os séruns são também tendencialmente mais caros do que os cremes/fluídos, sem contudo exercer tão eficazmente uma ação hidratante. E tendo em conta que os 3 passos acima mencionados são essenciais; apenas recomendo séruns a quem os puder acrescentar à sua rotina.

Estes produtos podem ser usados de manhã ou à noite; mas considero-os especialmente interessantes para usar como produto direcionado para alguma preocupação específica (ponto 2.); ou como antioxidante matinal; que deve ser aplicado antes do protetor solar.



Seja porque a pele das pálpebras é particularmente sensível, pela tendência para o desenvolvimento de milia, ou pela existência de preocupações específicas desta zona; pode ser relevante usar um produto específico para o contorno de olhos.

Mas uma vez mais, este passo será um "extra" reservado para quem já tiver os 3 passos essenciais perfeitamente implementados.

... e o esfoliante?


A necessidade e viabilidade de realizar uma esfoliação mais intensivaa em algum momento da semana, ou até de forma diária; dependerá muito do tipo, sensibilidade e preocupações que tem com a pele. Quem usa retinóides ou tónicos esfoliantes diariamente, por exemplo; pode não necessitar de o fazer. Numa pele sensível, a esfoliação com recurso à abrasão mecânica pode não ser pertinente; tal como numa pele com lesões acneicas inflamatórias, uma vez que as colónias bacterianas se propagarão pela pele do rosto.

Já numa pele engrossada, de textura irregular ou pouco luminosa; este passo pode ser essencial. Pelo menos, até estes aspetos se normalizar. Podem encontrar diversas reviews, posts relativos a produtos esfoliantes e recomendações específicas para determinadas preocupações de pele aqui.





6.
Aplicar os produtos pela ordem correta

Não é uma questão de vida ou de morte, mas permitirá obter o máximo benefício de cada um dos produtos e um acabamento adequado; que é especialmente importante para quem usa maquilhagem.

De uma forma geral, e após a limpeza; os produtos aplicam-se do menos viscoso para o mais viscoso. Para mais detalhe, podem consultar esta publicação.




7.
Saber reavaliar

As estações do ano, mudanças de clima, ou até produtos inadequados podem requerer uma mudança de rotina. Há ainda outras causas e forma de o fazer, que poderão consultar em detalhe aqui.

Sem comentários: