>

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Pele oleosa pt.1| sinais e causas

Acha que a sua pele é oleosa? Ou não tem a certeza? Confirme aqui!

É o tipo de pele predominante em idades jovens, e sobretudo nos homens. A pele oleosa caracteriza-se por:
  • Brilho excessivo constante na zona T (testa, nariz e queixo). Quando lavado, o rosto fica brilhante em menos de 3h.
  • Pontos negros (comedões abertos), pontos brancos (comedões fechados), e eventualmente acne (é necessário ter pele oleosa para desenvolver acne, mas nem todas as peles oleosas são peles acneicas)
  • Tendência para borratar a maquilhagem
  • Poros visivelmente dilatados, sobretudo na zona T
  • Pele espessa
  • Textura irregular



Tudo isto se deve à maior produção e secreção de sebo. Este líquido é produzido pelas glândulas sebáceas e desempenha funções muito importantes na pele, como a proteção contra o frio, ação antimicrobiana e a hidratação, embora não seja o principal responsável. Aliás, é frequente ter pele oleosa, mas desidratada (falta de água).

A glândula sebácea encontra-se anexada ao folículo piloso (imagem à direita), e juntos formam a unidade pilossebácea. 

Estas glândulas são mais abundantes na zona T do rosto, peito, parte superior das costas, couro cabeludo e orelhas.


Causas

  • Predisposição genética
Há diversos genes implicados na regulação da produção de sebo, e por isso determinadas pessoas apresentam maior tendência para apresentar este tipo de pele.

  • Idade e género
A produção de sebo aumenta desde o nascimento, e é máxima entre os 15 e os 35 anos, aproximadamente. Depois desse período, volta a diminuir de forma contínua.
Em qualquer idade, a produção de sebo é maior no sexo masculino.

  • Clima
Temperaturas mais elevadas tornam o sebo mais líquido, e por isso facilitam a sua saída da glândula sebácea. Por outro lado, quando a temperatura aumenta e em caso de elevada humidade atmosférica há maior produção de suor por outro tipo de glândulas, as glândulas sudoríparas, que agrava a sensação de oleosidade

Estes fenómenos explicam em parte a variação do tipo de pele em diferentes locais do mundo, em espaços húmidos e de acordo com as estações do ano.

  • Variações hormonais
A secreção sebácea pode ser regulada por diversas hormonas, entre as quais:
  • Testosterona e outros androgéneos, aumentam o tamanho das glândulas sebáceas e a sua atividade na síntese de lípidos
  • Insulina, aumenta o tamanho das glândulas sebáceas
  • Estrogéneos, parecem reduzir a produção de sebo
  • Hormona libertadora de corticotropina (aumentada em situação de stress), aumenta o tamanho e a atividade das glândulas sebáceas na síntese de lípidos
Assim, há uma maior produção de sebo no início da puberdade e antes do ciclo menstrual, nas mulheres, mas também em caso de uma alimentação inadequada ou de um estilo de vida desgastante. Por outro lado, determinadas doenças como a síndroma do ovário poliquístico podem estar envolvidas em desregulações hormonais.

  • Medicação
Alguns medicamentos podem aumentar a secreção sebácea.
Por outro lado, qualquer medicamento tópico cuja fórmula seja constituída por uma grande percentagem ingredientes oleosos pode aumentar a oleosidade da pele, se aplicado em zonas críticas.


 Pt.2

Sem comentários: