>

sábado, 31 de dezembro de 2016

Óleos essenciais pt.1| O que são, benefícios e cuidados a ter


Não, óleos vegetais e óleos essenciais não são a mesma coisa!

Ao contrário dos primeiros, os óleos essenciais não são constituídos por triglicerídeos e ácidos gordos, mas sim por misturas de moléculas como monoterpenos, sesquiterpenos e diterpenos. Logo, se a sua composição é diferente, a sua utilização também o é.

São ambos óleos, e por isso insolúveis em água. Contudo, os óleos essenciais são voláteis, ou seja, as substâncias que os constituem evaporam rapidamente à temperatura ambiente. Também por este motivo têm um cheiro muito intenso.

Assim, estes dois tipos de óleos têm ações biológicas muito diferentes daquelas que podemos encontrar, e por isso a sua utilização não poderá ser a mesma.


Caraterísticas

  • Melhoram a penetração de ingredientes ativos
Os terpenos são moléculas pequenas, com afinidade para os lípidos da epiderme, e que por isso conseguem desestabilizar a sua organização. 

Isto permite que tanto eles como as restantes moléculas da formulação em que se insiram possam chegar a camadas mais profundas da pele.

  • Podem ser irritantes ou sensibilizantes

Pela razão a anterior, e sobretudo em concentrações elevadas, todos óleos essenciais são ingredientes ingredientes irritantes, sobretudo se aplicados diretamente e com pouca ou sem qualquer diluição.

E tanto o são que alguns dos terpenos presentes nestes óleos são obrigatoriamente discriminados na lista de ingredientes dos produtos que os contêm, de forma a alertar os consumidores mais sensíveis. Há quem defenda mesmo que ainda que não seja visível, esta sensibilização ocorre para a maioria das pessoas, e por isso os cosméticos não deveriam ter óleos essenciais ou perfumes.

Além disso, alguns óleos essenciais como os dos citrinos contêm compostos que após ativação pela radiação UV desenvolvem reações de fototoxicidade em todas as pessoas, sejam elas mais ou menos sensíveis.

  • Podem ter ação antimicrobiana e repelente de insetos
Tal como os óleos vegetais, também alguns óleos essenciais são capazes de eliminar microorganismos. Mas ao contrário dos óleos vegetais, com ação antimicrobiana, e que são constituídos essencialmentes por ácidos gordos e derivados; os óleos essenciais contêm terpenos, e alguns deles têm também uma reconhecida ação antivírica, antifúngica e antiparasitária.

Além destas, alguns óleos essencias têm atividade repelente para alguns insetos que podem picar os humanos e em alguns casos até transmitir doenças. Contudo, parece não haver ainda um produto à base destes óleos que tenha uma capacidade de repelência semelhante à dos repelentes de insetos à base de DEET, icaridina ou IR3535, e que são uma referência de qualidade.

  • Contêm antioxidantes... mas podem aumentar a produção de radicais livres
Quando não são bem acondicionados ou depois de aplicados e expostos ao ambiente, alguns óleos essenciais podem degradar-se na presença luz, calor e oxigénio. Nestas condições podem formar-se radicais livres, que promovem o stress oxidativo nas células da pele e contribuem para o seu envelhecimento.

Não é fácil saber quais os óleos em que o benefício antioxidante é superior à ação pro-oxidante, até porque a composição destes óleos pode variar bastante mesmo que tenham origem na mesma espécie de plantas.

  • Têm aromas maravilhosos!

Os óleos essenciais são também a origem dos melhores aromas que podemos encontrar na natureza. 

A sua extração é extremamente minunciosa e sofisticada, de forma a conservar todos os seus compostos aromáticos, e por isso se justifica que alguns perfumes sejam tão caros...

  • São fontes de substâncias terapêuticas
Não só alguns óleos contêm moléculas que podem dar origem a medicamentos, como existem outros que são utilizados na aromaterapia.

A aromaterapia é numa corrente terapêutica na qual os óleos essenciass são utilizados de forma direta, sem diluição, ou indireta, com diluição. Está dirigida sobretudo para o tratamento e preveção de problemas associados a estados emocionais, e requer a monitorização por profissionais qualificados para que o tratamento seja seguro.


Conselhos para quem usa óleos essenciais

  • Conhecer bem os óleos que se usa, e diluí-los corretamente. Caso contrário, o risco de queimadura é enorme! Se não sabem como proceder, é preferível não utilizar estes produtos.
  • Evitar produtos que contenham elevadas concentrações de óleos essenciais em peles sensíveis, ou sujeitas a tratamentos sensibilizantes
  • Não expor a pele ao sol quando são aplicados óleos essenciais
  • Evitar ingredientes sensibilizantes após a aplicação de óleos essenciais

Sem comentários: