>

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Óleos e manteigas vegetais pt.1| O que são, benefícios e cuidados a ter


Os óleos e manteigas vegetais são obtidos pela expressão ou extração por solventes de determinadas partes de plantas, geralmente frutos ou sementes. São constituídos essencialmente por triglicerídeos, ácidos gordos, esqualeno, e podem conter ainda quantidades residuais de outras substâncias que se encontrem na matéria prima da qual provêm.

Relativamente à sua estrutura química, os ácidos gordos podem ser:
    • Saturados (sem ligações duplas): Ácido cáprico, caprílico, láurico, palmítico, esteárico, etc
    • Insaturados
      • Monoinsaturados: Ácido oleico, palmitoleico
      • Poliinsaturados: Ácido linoleico, alfa e gama linolénico, araquidónico, etc.
Dependendo da quantidade relativa de cada tipo de ácido gordo presente no óleo vegetal em questão, este será mais ou menos viscoso. Em alguns casos, torna-se mesmo num sólido, ao qual se dá o nome de manteiga.



Caraterísticas

  • Contêm gorduras benéficas para a pele
Em cosmética, o óleos vegetais têm essencialmente uma ação emoliente e oclusiva, retendo a hidratação da pele enquanto a amaciam. Contudo, e dependendo da sua composição, alguns óleos podem ser igualmente calmantes.

Existem vários óleos com concentrações relativamente elevadas de ácido linoleico, um ácido gordo poliinsaturado que está presente na composição das ceramidas que por sua vez constituem as membranas das células. Assim, o ácido linoleico é capaz de contribuir significativamente para melhorar a hidratação da pele.
  • Contém compostos antioxidantes
Muitos óleos vegetais são ricos em substâncias antioxidantes, que por terem mais afinidade para as moléculas lipídicas são importantes protetores das membranas das células. 

Entre estas substâncias, encontam-se em alguns óleos a vitamina E, os flavonóides, a melatonina e os carotenóides como o beta caroteno.

  • Podem ter ação antimicrobiana
Os ácidos gordos têm ação surfatante (semelhante à dos detergentes), e por isso possuem também alguma ação antimicrobiana sobre uma parte das bactérias que habitam à superfície da pele. 

No entanto, e sobretudo no caso da acne, estes óleos podem também servir de alimento para outras espécies de bactérias que habitam igualmente na pele, mas não são suscetíveis à sua ação antimicrobiana.

  • Nem todos os óleos são adequados para todos os tipos de pele
Dependendo da sua composição, e essencialmente da concentração de cada tipo de ácido gordo, diferentes óleos podem ser mais ou menos compativeis com peles mais secas ou mais oleosas.

Por norma, quanto mais ricos em ácidos gordos saturados, mais "pesados" e difíceis de absorver serão os óleos. Exemplo disso são as manteigas de karité ou cacau, que são sólidas à temperatura ambiente, e o óleo de côco, que é praticamente sólido nas mesmas condições. E se por um lado uma grande concentração deste tipo de ingredientes pode ser agradável para uma pele seca, aplicá-los numa pele oleosa já não será tão boa ideia...

Pelo contrário, há óleos como o de semente de uva ou de abacate que apresentam uma elevada concentração de ácidos gordos insaturados, e por isso são mais facilmente absorvidos.


Conselhos para quem usa óleos vegetais puros ou diluídos em produtos
  • Ter em conta o tipo de pele para o qual o produto se destina antes de comprar. Elevadas concentrações de óleos mais viscosos e difíceis de absorver podem ser desagradáveis para as peles mais oleosas.
  • Comprar de marcas reconhecidas, e se possível certificadas, para garantir que os óleos mantêm as suas características pelo maior período de tempo possível
  • Ter atenção ao acondicionamento. Evitar embalagens transparentes, com má vedação, que permitam que o óleo rance.

Sem comentários: