>

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Óleos e bálsamos de limpeza


Pode parecer um conceito irónico, sobretudo para quem sempre teve pele oleosa e vê na limpeza a melhor forma de se ver livre de qualquer tipo de gordura...

Mas a verdade é que não sendo novidade estes produtos têm ganho bastante popularidade, e cada vez mais marcas apostam neles. Para além de serem bastante eficientes na remoção do protetor solar e da maquilhagem (incluindo a mais resistente), são também capazes de eliminar o excesso de sebo da pele e as impurezas que se vão acumulando ao longo do dia.

diferença mais óbvia entre óleos e bálsamos está na consistência, sendo que os bálsamos são constituídos por gorduras que se mantêm no estado sólido à temperatura ambiente (e quando em contacto com o corpo tendem a tornar-se menos viscosos).

Por tudo isto, os óleos e bálsamos de limpeza podem ser a solução ideal para algumas pessoas, mas certamente não serão os mais adequados para todos os tipos de pele, pelo menos como produto único.

Como funcionam?

O princípio é muito simples :)

A química diz-nos que semelhante dissolve semelhante, neste caso, que um óleo se dissolve noutro óleo. E uma vez que tanto a barreira hidratante produzida pela nossa pele como a maquilhagem que utilizamos são em parte constituídas por óleos, estas porções conseguem ser "arrastadas" por eles, e eliminadas aquando do enxaguamento.

No entanto, é preciso ter em conta que os óleos não conseguem fazer isto sozinhos! Semelhante dissolve semelhante, lembram-se? E entre a gordura (do óleo/bálsamo) e a água (do enxaguamento), a semelhança não é muita... Por isso,  para além dos óleos são necessários tensioativos que permitam emulsionar a gordura, formando pequenas micelas (gotículas) oleosas que são efetivamente removidas na água (imagem abaixo). Os tensioativos, também conhecidos como surfatantes, podem também ser encontrados em champôs, e nos produtos de limpeza de rosto convencionais. Aqui, a novidade é mesmo o solvente do produto, que em vez da água passa a ser um óleo.

Vantagens
  • Num único passo podem remover tanto o protetor solar e a maquilhagem, sobretudo à prova de água, como a restante sujidade retida na pele
  • Embora sejam enxaguados, os óleos e bálsamos de limpeza depositarão sempre algum resíduo à superfície da pele. Dependendo da sua proveniência, alguns óleos podem depositar ácidos gordos e outros lípidos com potencial anti-inflamatório, como por exemplo o ácido linoleico do óleo de cártamo (Carthamus tinctorius).

Desvantagens
  • Quando a pele tende a ser oleosa, o mínimo resíduo de óleo à sua superfície pode tornar-se desconfortável ou até agravar a acne, se for comedogéniro e não for removido. A comedogénese é algo que varia de pessoa para pessoa, por isso é necessário ter cuidado.
  • Alguns produtos podem conter óleos essenciais na sua composição, que em determinados casos poderão sensibilizar a pele

É indicado para mim?

Embora algumas das formulações mais recentes sejam mais fáceis de enxaguar, este tipo de limpeza é mais aconselhado para:
  • Pele seca, que tende a repuxar após a limpeza à base de produtos aquosos
  • Pele sensível e reativa aos produtos de limpeza aquosos (estes tensioativos tendem a ser quimicamente diferentes)
  • Pele oleosa, se o produto for constituído por óleos não comedogénicos, ou usado numa primeira limpeza
  • Eliminar a maquilhagem mais pesada, de uma forma delicada (sem necessitar de esfregar). Se a pele permancer oleosa ou com resíduo, uma segunda limpeza com um gel, leite ou água micelar poderá retirar o excesso do primeiro produto. No fundo, é o que grande parte das pessoas já faz com um desmaquilhante...
  • Pessoas que tenham preferência por produtos oleosos


Vão experimentar? :)

Sem comentários: